sábado, 29 de dezembro de 2012

Agora quem manda é o pai! (Queria eu!)

Ui...! Estou cansada...Verdade...acreditem!

A M. está numa fase um pouco chata...está "viciada" na mamã, mais do que nunca! 
Oh, meus queridos e queridas...eu sou daquelas mães, tipo "galinha" mesmo...que nunca negam o quentinho do colo...muito menos aquela vozinha querida que apaga qualquer mazela.

Mas, às vezes quero ser gente. Quero ser a mulher que se arranja para sair para jantar com o marido, que põe perfume, que veste a roupa que recebeu no Natal. Que se põe bonita, com batom vermelho e tudo mais...

Fogo...antes era tão simples. Era algo que eu fazia  com a maior simplicidade. Hoje, é um luxo. Não me levem a mal...não quero parecer menos mãe por isto...

Desde que a M começou a andar, tudo é muito mais fácil. Eu, que sou apologista de se fazer tudo em casa, desde a unha até ao cabelo, passei a ter uma liberdade que me parecia impossível...acreditem. 

Desde sempre, fui ao cabelereiro reforçar a minha "loirice", e pintar as (poucas e curtas) unhas que tenho. Mas quando me tornei mãe, passei a fazer  tudo em casa...e até brinco com o maridão...porque ele tem sorte em ter a mulher "prendada" que tem...!  E tem mesmo!

Eu penso que sei fazer tudo...tolice a minha! Um dia destes, resolvi pintar o cabelo de loiro em casa. Ui! Grande desgraça! Vocês nem imaginam o tom de laranja que recebi...mas como não sou nenhuma desistente, e gosto de provar algumas coisas, lá fui eu pintar as madeixas outra vez. E deu certo. Amém. 

Já estou "poupada" de ir ao salão outra vez. "Acastanhei", e estou satisfeita. ;)

Vocês devem estar a pensar no porquê de eu estar a falar na minha cabeleira, quando o assunto era a minha M...e eu explico...eu errei! E errei feio! Resolvi fazer tudo em casa, para não ter que deixar a  minha pequena sozinha, sem mim. Para não ter que pedir que alguém ficasse a olhar por ela...e porque, no fundo,  não quis deixá-la sem a mãe. Eu depositei na M. tudo o que podia...e agora ela não pode viver sem mim! Então, tenho um pai com algum ciúme...e uma família que lhe acha uma mimalha. 
  
É verdade, e eu sei. Não nego  e nem tento arranjar desculpas para isto. De facto, a M. está "viciada" na mamã. Mas, minha gente, eu nunca fui mãe...não sei as regras, e claramente, vou errar. Como qualquer uma de vocês. O meu pecado é ter criado alguém que me ama absolutamente, e que confia em mim mais do que em qualquer pessoa. Se me arrependo? NÃO! Nunca. Se reflito sobre isto? Sim. Não sou nenhuma burrinha...e obviamente, penso nos sentimentos da minha filha.

Sei que ela tem um pai mais do que maravilhoso, e uns avós que valem ouro...sei de tudo isto! Mas, então como posso partilhar o amor da M. com estas pessoas? Ela adooora estar com eles...brincar, jogar, passear...mas então, chega a hora da sopa, da fruta, do leite...e também chega a hora de dormir...e ela não quer ninguém...só à mãe.

E o que eu faço? Porque é preciso que ela aceite outras situações, outras pessoas...ou a menos ao pai! Aí, eu penso: será uma fase? Será que não estou a dar espaço? Será que simplesmente, assumo tudo e não deixo que o J. seja pai e tome o seu lugar?

Hoje, após quase dois meses a ser mãe a tempo inteiro, saí para jantar com o maridinho, e a avó J. ficou com a M. Era quase meia-noite quando voltei, e lá estava ela...acordada e à minha espera. Não conheço bebé da sua idade que fizesse tal coisa. A maioria, penso eu, teria cedido ao sono. Mas ela não. Mal ouviu a campanhia, já estava a chamar pela mamã...

E agora, minha gente?! Como eu faço para a M. assumir que se sente segura com o pai, a avó, ou a tia? Como faço?

Só sei que a apanhei na casa da avó, coloquei-a no carro e segui para casa. No caminho, ela esteve sempre acordada, agarrada à minha mão. Quando chegamos à casinha, a M. pediu para ver  a Gabriela (a novela), que lindamente chama de "bela". Ela sabe que esta, é a hora de dormir. Como sou noveleira e tenho sempre o último episódio gravado, pus a "Bela" a rolar...

Mal a M. adormeceu. corri para o "papá", avisando que aquela era a hora de ele assumir a cria...ele, que estava entretido no computador, ficou sem entender...tamanho era o meu desespero! Apressadamente, eu lhe disse: "a M já está a dormir. Já está na cama, e se chorar, tu assumes!". E então ele perguntou: " E se ela chamar por ti?". E eu respondi: " Faz de conta que eu morri. Morri mesmo. Não existo".

Hahahahaha...foi uma risota! Mas ao menos fui honesta...

Deixem-me tomar a minha taça de vinho em paz, please...uma vez, de vez em quando.

Desculpem lá o desabafo... :p

Beijocas minhas, e tenham um bom domingo!


Para seguir esta mamã no Facebook é AQUI. ;)

5 comentários:

  1. Conselho de quem ainda não é mãe, mas o quer ser um dia, tens que sair mais vezes com o teu marido, e habituar a M. que tem que dormir noite inteira casa dos avós. Pode ficar uma noite sem dormir, mas é o melhor para ela! Para não falar que também mereces uma noite só para ti! Beijinho e bom domingo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh...ela até já costumava dormir com a avó J. Desde os 4 meses, dorme lá ao menos uma vez por mês, ou a cada 2 meses. Mas agora está assim, viciada em mim. Uma amiga já nos disse que é uma fase normal...vamos lá ver quando passa... :p bem preciso de uns tempinhos para mim. lol.
      Beijinhos.

      Excluir
  2. raulfreire@gmail.com30 de dezembro de 2012 04:01

    Hahahahahahaha... Bota esse João para trabalhar...

    ResponderExcluir
  3. Olé...Esse vicio tb o sinto cá em casa. A minha filha vem a correr atrás de mim quando eu saio da sala, para o quarto, casa de banho, whatever...
    Quando eu visto um casaco para sair de casa agarra-se à minhas pernas e diz "Mamã"...percebe perfeitamente que eu vou sair...e Olhe L. que eu arranjo as unhas todas as semanas e na manicure, em casa não tenho jeito nenhum...vou às compras, ao shopping, almoço com amigas, trabalho fora de casa...acho que não tem nada que ver com o facto de estarmos mais ou menos em casa, é simplesmente porque somos Mães...as Mães delas...e porque lhes transmitimos carinho, segurança, amor, ternura...
    Mas compreendo perfeitamente o desabafo, às vezes tb tenho essa necessidade de cuidar de mim, do meu espaço, do meu tempo...mas faz parte...

    ResponderExcluir